9 de fev de 2009

Profana

O carnaval está chegando no Brasil inteiro, mais no Nordeste os bailes e festinhas já estão bombando.Minha relação com essa festa popular mais adorável, que foi criada pela Igreja Católica( quando eu estudava na escola católica, as freiras não gostavam de falar sobre o assunto, é como se fosse uma vergonha) e que antecede a semana santa, pra mim é como se dissessem "pode cair na gandaia no carnaval , mais depois 40 dias sem comer carne e todos hajam como santos " uma hipocrisia danada ,festa essa que curto desde de criança com minhas fantasias de mulher-gato e de baiana é tão intensa, que no periódo que acontece eu fico triste por não participar de fantasia junto com todos os passos dançantes, desde dos 10 anos de idade eu viaja para Olinda, e fica fascinada com tanta gente que cabia naquelas ladeiras, eu fui crescendo e o amor pela cidade foi junto, ainda mais quando eu já podia ir para o Recife Antigo a noite, e depois por mais nove anos foram assim, até que nesse ano não poderei ir pela data injusta de ser só no final do mês, onde já estarei bem longe de volta ao caos de São Paulo.
Eu gosto do frevo, do maracatu, do Alceu Valença cantando na varanda da sua casa na terça de carnaval, das fantasias, dos blocos encontrando-se nas esquinas das ladeiras, dos bonecos, eu gosto de toda aquela gente reunida do mundo inteiro de todas as classes e cores na rua botando o corpo pra mexer por um só motivo.
Tão desanimada por ter ficar em frente a tv vendo escola de samba, que não sei com qual fantasia iria esse ano, só sei que queria uma saia branca rodada e algumas coisas no cabelo, talvez terminasse na baiana de novo.


"Olinda, quero cantar
À ti, esta canção
Teus coqueirais, o teu sol, o teu mar
Faz vibrar meu coração
De amor a sonhar, minha Olinda sem igual
Salve o teu carnaval "


- desce uma cerveja.